A disfunção erétil poderia ser genética?

Se o pai ou o avô de um homem tem disfunção erétil (DE), o homem pode estar em maior risco? Os cientistas podem estar mais próximos de uma resposta.

ED – incapacidade de obter ou manter uma ereção firme – afeta milhões de homens em todo o mundo e se torna mais comum à medida que os homens envelhecem. A condição geralmente está relacionada a outros problemas de saúde, como diabetes, doença cardíaca ou esclerose múltipla. Mas pesquisas anteriores sobre gêmeos sugerem que cerca de um terço dos casos de DE são genéticos.

Os cientistas acham que encontraram uma localização genética específica (chamada de locus genético) no DNA humano que afeta as ereções. Eles publicaram suas descobertas na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos da América no mês passado.

A localização é próxima ao gene SIM1, que se acredita estar relacionado à obesidade.

Os pesquisadores examinaram dados de dois estudos de associação genômica ampla. O primeiro estudo utilizou informações genéticas da pesquisa Genetic Epidemiology Research sobre Saúde de Adultos e Envelhecimento, uma divisão do Programa de Pesquisa Kaiser Permanente sobre Genes, Meio Ambiente e Saúde.

Este projeto envolveu 36.648 homens com disfunção erétil que completaram uma pesquisa de emergência ou foram tratados para disfunção erétil.

Os pesquisadores descobriram que 26% dos homens tinham uma variação genética na região SIM1 e determinaram que esses homens estavam em maior risco de disfunção erétil.

Em seguida, a equipe de pesquisa analisou a informação genética para um grupo de 222.358 pacientes com DE através do UK Biobank, um recurso internacional. Os resultados neste grupo foram semelhantes aos do primeiro grupo.

As variações genéticas podem influenciar o funcionamento do gene SIM1, levando à disfunção sexual, explicaram os autores do estudo.

Em uma declaração à imprensa, o principal autor, Eric Jorgenson, PhD, chamou as descobertas de “uma descoberta empolgante” que pode levar a mais pesquisas sobre “terapias baseadas em genética”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *